Folha de São Paulo – Saiba como os médicos atestam a morte cerebral do paciente

Folha de São Paulo – Saiba como os médicos atestam a morte cerebral do paciente

Matéria da Folha de São Paulo com a participação do neurocirurgião Dr. Paulo Porto de Melo:

  • Ricardo Stuckert

Marisa Letícia Lula da Silva, ex-primeira dama do Brasil

Ainda que a ex-primeira dama Marisa Letícia já não tivesse fluxo de sangue no cérebro desde o dia 1º, é necessário cumprir um protocolo de três etapas, como manda uma portaria do CFM (Conselho Federal de Medicina), para atestar a morte cerebral.

O paciente com tal suspeita precisa primeiro passar por um exame clínico, feito por um neurocientista ou neurocirurgião. Nele, o médico avalia se ainda há reflexos do tronco cerebral –um dos exames joga luz forte sobre a pupila para ver se ela se contrai, como normalmente deve ocorrer; outro teste inclui cutucar a parte superior da garganta e ver se há tosse.

Caso não haja esses sinais, esse mesmo exame precisa ser repetido num intervalo de pelo menos seis horas. Esse período garante que não haja nenhuma sedação no corpo que possa mascarar as respostas, explica o neurocirurgião Paulo Porto de Melo.

Se os dois exames forem positivos para morte cerebral, ainda é necessário fazer um exame complementar. Entre as possibilidades descritas na portaria do CFM estão o eletroencefalograma, que mostra presença ou ausência de atividade elétrica, e o dopler, que mostra se há fluxo de sangue no cérebro. O sangue só circula ali se houver demanda do órgão.

Veja a matéria na íntegra, clicando no link ao lado: Matéria – Folha de São Paulo

COMPARTILHE ESSE POST:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email