Saiba se você tem esclerose múltipla e como tratar a doença

Saiba se você tem esclerose múltipla e como tratar a doença

Muito se tem discutido ultimamente sobre esclerose múltipla devido às recentes notícias envolvendo a atriz Claudia Rodrigues, que fez um desabafo emocionado em entrevista ao programa “Domingo Espetacular”, da Record.

“Comecei a gravar e dizia: pera aí, pera aí, só um minuto. E a direção me chamou e disse: “O que está acontecendo?”, revelou Cláudia. O desespero acabou levando a atriz a pensar em suicídio. “Pensei em até tirar a minha vida, como meu irmão tirou. Pensei”, contou.

Um entendimento correto a respeito da esclerose múltipla ajuda a derrubar preconceitos e promove uma saudável discussão na sociedade, ajudando na obtenção de diagnósticos mais precoces e tratamentos mais eficientes. Se não sabemos nem do que se trata, como então desconfiar que algo está errado e que há tratamento disponível?

O que é?

A Esclerose Múltipla é uma doença neurológica, que se manifesta devido a danos em uma estrutura chamada mielina. A mielina é como se fosse um “isolante” do cérebro, da medula e dos nervos, pois ele propicia que as informações sejam transmitidas com clareza, precisão e rapidez.

Ataque à mielina

Por algum mecanismo ainda desconhecido, mas com forte participação do sistema imunológico, as células de defesa do nosso próprio organismo começam a atacar a mielina e danificá-la. O processo de reparação natural do nosso corpo leva à formação de uma cicatriz (também chamada de esclerose, daí o nome da doença). Esta cicatriz não possui as mesmas propriedades da mielina e portanto não confere o isolamento necessário aos axônios dos neurônios (espécie de fios condutores das informações), levando a transmissão de informações distorcidas ou com muita lentidão. Algumas vezes o dano é tão grande que a informação nem sequer é transmitida.“Apesar de não ser uma doença puramente genética, a ciência mostra que existem indivíduos geneticamente predispostos a desenvolver os sintomas. Uma série de fatores ambientais (alguns dizem que fatores infecciosos também influenciam) agem como ‘gatilho’, que desencadeiam a resposta imunológica alterada e o aparecimento dos sintomas”

O problema

E que informações são estas? Praticamente tudo que nos permite interagir com o mundo ao nosso redor: informações sensitivas (se um objeto está quente ou frio, áspero ou liso, macio ou duro, etc), informações motoras (o comando que o cérebro envia para que os braços ou as pernas se movam, por exemplo, é transmitido por essas vias) e informações visuais (após a imagem ser capturada pelos olhos, é transmitida para ser interpretada pelo cérebro pelos nervos ópticos).

Mulheres brancas

A ciência nos indica também que a chance de desenvolver esclerose múltipla é maior em mulheres e em indivíduos caucasianos (com biótipo europeu).

iG – Tontura é um dos sintomas mais comuns

Sintomas comuns

Os sintomas da esclerose múltipla são diversos, como o próprio nome sugere. Os mais comuns são fadiga, dormência na face ou nos membros, dificuldades para caminhar, vertigem e tontura, visão turva, fraqueza (perda de força muscular localizada) e depressão.

São sintomas muito comuns e somente algumas características muito específicas de cada um deles pode levar seu médico a desconfiar de esclerose múltipla.

A fadiga, tontura e outros sintomas são muito frequentes em nossa população, o que não quer dizer, necessariamente, que se suspeite de acometimento pela doença.

A esclerose múltipla é uma doença rara (cerca de 0.1%), sendo muito menos frequente do que outras causas para fadiga, tontura, etc.

O diagnóstico de esclerose múltipla é feito através da história clínica, das alterações presentes no exame neurológico e de exames complementares como a ressonância magnética, o exame de liquor e de potenciais evocados.

Tratamento

Existem várias formas de tratamento com bons resultados. Usualmente os sintomas melhoram bastante e são utilizados remédios na fase aguda da doença, para impedir maiores danos e recuperar as funções perdidas durante a crise, e outros na chamada fase de manutenção, que tem como objetivo diminuir a chance de uma nova crise.

Além do tratamento medicamentoso, é fundamental o acompanhamento com fisioterapia (para acelerar a recuperação dos déficits) e psicologia (para apoio durante o curso da doença e elaboração da melhor forma de lidar com possíveis limitações).

COMPARTILHE ESSE POST:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email